Visite Nossa Página no Youtube


Rating: 2.8/5 (112 votos)




ONLINE
2





Partilhe este Site...







Total de visitas: 695872
Os Lavradores Maus e a Vinha
Os Lavradores Maus e a Vinha

Texto base Mateus 21 – 33 até 46

 

33 – Primeiro o Senhor usa nessa parábola um texto de Isaias 5:2(devemos ler), para mostrar que as escrituras são verdadeiras e contém nelas as palavras da Vida Eterna. Esse Homem é o pai Celestial, que preparou a terra para vivermos felizes nela. Fez ali tudo que era necessário, entregou tudo pronto, aos homens, que aqui representam primeiramente os judeus, não percam isso de vista, e depois toda a humanidade, por isso temos lavradores no plural. Assim encontramos aqui uma referencia clara da rejeição a Obra do Senhor por parte dos judeus primeiramente e depois de todos os homens.

 

34 – tempo dos frutos é tempo de colheita, vemos através das escrituras que o Senhor veio no tempo certo, quando tudo estava preparado para a sua vinda, sendo assim tempo de colheita aqui é uma referencia ao tempo da vinda do Senhor como Homem, e seus servos aqui demonstram os Profetas, que vieram em tempos devidos antes da vinda do Filho do Homem, mais uma vez vemos referência a Israel, pois profetas aqui nos fala do povo terrestre de Deus, que em conceito quer o cristão aceite ou não se refere ao povo judeu.

 

35 – ainda que viessem vários profetas todos foram rejeitados a uma, e de forma alguma o povo aceitou a pregação dos profetas, sempre rejeitando a Palavra e o ensino que ela trás, Israel tem rejeitado o Senhor desde sempre, e quando o Filho do Homem desceu a essa terra, o plano para Ele pelos judeus era a “execução”.

 

36 – Mostra a insistência do Pai em mandar seus servos, mas uma vez vemos a insistência do Pai para com Israel e ainda assim a situação é sempre de rejeição.

 

37 – Aqui vemos o Filho do Homem, sendo manifestado como o prometido, o messias de Israel, AquEle, cujo povo esperava, assim sendo o Pai o enviou, na expectativa de que Ele fosse recebido, ainda que o Pai soubesse da rejeição de Israel em sua onisciência.

 

38 – Aqui vemos toda a rejeição de Israel para com o Senhor Jesus, pois vemos claramente seus planos contra Ele, “matemo-no” e tomemos posse do que lhe pertence, aqui vemos Satanás, usando Israel, para se apoderar de tudo que pertence a Deus, e o povo mais uma vez, vai ao caminho errado e escolhe a ele. Que motivação errada de Israel, querer o terreno e não o celestial, preferir as glorias do Egito, do que as Glorias futuras do reino eterno, e infelizmente esse é o caso até hoje em relação a Israel e todos que não querem o Filho.

 

39 – Vejamos que colocação interessante, “para fora da vinha”, onde foi que o Senhor foi crucificado? Sim, fora da porta, fora do arraial, fora da vinha, fora de Israel. Que linda profecia podemos ver aqui do sacrifício do Senhor Jesus em favor de muitos. Veja que Ele é tomado, é arrastado, é assim demonstrado que o coração desse povo é duro, mau, e não quer o verdadeiro Messias. Aqui eles estão proclamando sua própria sentença.

 

40 – E agora o que resta? Nada, a não ser o Pai, abrir um novo caminho, para um povo que receberá seu Filho, seu Único Filho, AquEle que é Digno, e assim, fica claro que o tempo de Israel, acabou, é preciso à graça para a manifestação do Amor, e Israel é posto de lado até que o tempo da Igreja acabe e ele volte como Dono da Vinha, que é seu povo Israel, e regerá com mão de ferro, e todos se submeterão a Ele.

 

41 – Para Israel acabou(mas lá na frente veremos uma nova oportuidade a esse povo), não existe mais salvação para esse povo, a não ser por meio da Igreja, aceitando o Senhor, reconhecendo o Filho de Deus como Messias e como o verdadeiro sacrifício. E outro povo iria nascer, e os seus frutos serão conhecidos, que lindo, a Igreja sem macula, perfeita, formada apenas dos salvos aparece aqui. Mas lembrem-se, de que serão vistos os frutos que se darão.

 

42 – Aqui Jesus revela outra profecia, Salmo 118: 22, 23, referindo a Si mesmo, pois fala de Si e não de outro, e cabe a cada um reconhecer isso, essa “pedra preciosa Angular”, que o próprio Deus estabeleceu em Israel, Isaías 28:16 e vemos que os edificadores, são os líderes do povo que rejeitaram não apenas a Ele, mas a Sua obra, e como já disse, Deus o colocou como pedra de esquina sob uma casa espiritual, ou seja, a Igreja, e essa “pedra de tropeço e rocha de ofensa” para os que são desobedientes, I Pedro 2: 4 a 8.

 

43 – Aqui vemos o Senhor voltando a falar de Israel, mas na era vindoura, após o arrebatamento da Igreja, onde novamente Israel será posta como a nação pertencente a Ele, e Ele será o rei, que todo olho verá e reconhecerá, pois atuará com mão de ferro, vamos ver isso no versículo imediato.

 

44 – Que clareza nos mostra o Senhor aqui, o tempo do Reino aonde todos virão a Sião, onde estará Seu trono, e todos se sujeitarão, e aqueles que se rebelarem serão destruídos, ou melhor, despedaçados, reduzidos a pó, esses são aqueles que se levantarão contra o reino de Israel que virá a existir no futuro, que terá o Senhor Jesus, como rei visível, pois hoje Ele reina de forma invisível no coração daqueles que crêem.

 

45 – Aqui vemos que todos são indesculpáveis diante da Palavra, pois eles os lideres, reconhecem que falava deles e de seu povo. Então meu leitor, você nunca será indesculpável perante o Senhor Jesus, se ainda não decidiu aceita-lo, agora é o tempo imediato para isso. Faça-o, creia em seu coração e o confesse com sua boca, Romanos 10:10, 11.

 

46 – Aqui vemos que diante do Senhor nada e nem ninguém pode fazer alguma coisa naquele dia, ou seja, quando vier o tempo futuro, todos se submeterão.  

 

Espero que tenha aproveitado o ensino do Senhor Jesus para sua vida.

"...que te importa? Quanto a ti, segue-me" - João 21:22

O Senhor Jesus tinha acabado de dizer a Pedro que ele viveria até se tornar um idoso e então morreria a morte de um mártir. Pedro imediatamente olhou para João e perguntou em voz alta se João receberia um tratamento melhor. A resposta do Senho foi: "...que te importa? Quanto a ti, segue-me".

Lembrando da atitude de Pedro, Dag Hammarskjold escreveu: "Apesar de tudo, sua amargura, porque os outros estão desfrutando do que lhe foi negado, está sempre pronta para explodir. Na melhor das hipóteses, ela fica dormindo por uns poucos dias ensolarados. Ainda assim, mesmo neste nível indescritivelmente miserável, ela ainda é uma expressão da verdadeira amargura da morte - o fato de que aos outros é permitido continuarem vivendo".

Se levássemos a sério as palavras do Senhor, elas resolveriam muitos problemas entre o povo cristão.

É tão fácil ficarmos ressentidos quando vemos outros prosperarem mais que nós. O Senhor permite que eles tenham uma casa nova, um carro novo, um chalé perto do lago.

Outros, a quem talvez consideremos como menos devotos que nós, têm boa saúde enquanto lutamos contra duas ou três doenças crônicas.

A família ao lado tem filhos lindos que se sobressaem em esportes e no meio acadêmico. Nossos filhos são normais, do tipo mais comum.

Vemos outros crentes fazendo coisas que não temos a liberdade de fazer. Mesmo que essas coisas não sejam pecados, ficamos ressentidos com sua liberdade.

É triste dizer, mas há certa inveja profissional entre obreiros cristãos. Um dos pregadores fica ofendido porque o outro é mais popular, tem mais amigos, fica na luz do holofote. Ou outro fica irritado porque seus colegas usam métodos que ele não aprova.

As palavras do Senhor atingem todas estas atitudes indignas com força surpreendente:"...que te importa? Quanto a ti, segue-me". Como o Senhor lida com outros cristãos realmente não é da nossa conta. Nossa responsabilidade é segui-Lo em qualquer que seja o caminho que Ele escolheu para nós.

Estraído do Devocional Luz Para o Caminho - William MacDonald