Visite Nossa Página no Youtube


Rating: 2.8/5 (44 votos)




ONLINE
3





Partilhe este Site...







Total de visitas: 668079
Dois Discípulos
Dois Discípulos

Vivemos dias em que muitos falsos profetas estão sendo levantados por Satanás. São pessoas que se dizem seguidores de Cristo. Muitas vezes até o fazem inconscientemente, mas ainda assim estão nas garras de Satanás, estão cegos e se acham discípulos de Cristo. Você está entre esses?
Temos hoje o dever de analisarmos a nós mesmos e distinguirmos que tipo de discípulo somos. Será que como estes, não estamos sendo enganados por Satanás? Vamos dar uma espiada nas estratégias do diabo :

“Se não podemos vencê-los, nos uniremos a eles”.

Nunca se esqueça: Quem está unido a Satanás, está separado do Senhor. Não há meio termo: “Quem comigo não ajunta, espalha”. Dura é essa palavra que encontramos em Lucas 11:23.

Você deve estar se perguntando:

E como o inimigo se une a nós? De maneira sutil. Sem que percebamos ele vai minando as nossas vidas, nossos valores são transformados, nossas atitudes são influenciadas, sem notar estamos sendo guiados por Satanás. Pense se você aos poucos não tem abandonado alguns princípios que outrora eram importantes e sensatos.

Um exemplo:

Os novos cristãos começam firmes, no primeiro amor, buscando ao Senhor, mas Satanás vai minando suas vidas, estes acabam achando mais fácil a vida sem renuncias e voltam ao primeiro estado, ou seja, abandonam muitos princípios que anteriormente tinham valores.
Mas o que significa voltar atrás? Não precisamos voltar ao mundo para voltarmos atrás e deixarmos de ser discípulos de Jesus, basta apenas que deixemos que alguns princípios passem em branco, assim nos conformamos e acabamos nos tornando pessoas “inteligentes, lúcidas e coerentes” e dizemos “Ah! Fulano é muito espiritual! Tudo para ele é demônio, é o inimigo, ele está ficando fanático”. Será que não temos agido assim? Lembre-se: Nossa luta não é contra a carne e sangue e sim contra as hostes espirituais do mal. Efésios 6: 12
Leia atentamente o texto a seguir: “Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre.”, isto encontramos no evangelho de João 6:53-58. Comer da carne, e beber do sangue tem um significado e significam estar em verdadeira união com Cristo. É não fazer vã a morte dele na cruz. Quando Jesus pronuncia esta palavra, os discípulos não entendem e pensam que Jesus está falando de canibalismo, talvez para você seja difícil de compreender as palavras do Mestre. Este tipo de discípulo tem a visão curta, a visão do mundo físico, seus olhos tem escamas, eles tem ouvidos, mas não ouvem. Estes são os chamados discípulos de Moisés: “Então o injuriaram, e disseram: Discípulo dele sejas tu; nós, porém, somos discípulos de Moisés.” Encontramos isso no evangelho de João 9:28, discípulos fariseus, discípulos hipócritas, chegam a ser líderes, dão falsos frutos e por não estarem transformados por Cristo, mas sim, deformados pela influência de Satanás em suas vidas, acabam gerando discípulos deformados. Satanás também tem seus seguidores, seus discípulos. E assim várias estruturas religiosas vêm crescendo, deformadas. Quem será o pai desses discípulos? Lembre-se: “Quem não ajunta, espalha.”, Lucas 11:23, de fato não existe meio termo.
A parábola das dez virgens relata bem essa infeliz realidade: cinco destas virgens não haviam guardado o azeite, não haviam se guardado em santidade para o noivo, não preservaram o verdadeiro amor, não permaneceram firmes no Espírito Santo, não vigiaram e não tinham o óleo para desfrutar da vida eterna e por isso tiveram que voltar para resgatar seus princípios, mas era tarde, neste momento o noivo que é Jesus vem para resgatá-las e encontra apenas as virgens PRUDENTES. Satanás planeja isso. Olhe para dentro de você e responda: Em qual delas você pode espelhar a sua vida?
No entanto, existe também outro tipo de discípulo, o verdadeiro discípulo, o discípulo de Jesus, esse permanece com Cristo, pois em outro não encontra palavras de vida, não tem para onde ir. Para onde podemos ir se não para a vida eterna com o Senhor?
Leiamos agora o que diz Lucas 9:23 a 27, “E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará. Porque, que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo? Porque, qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do homem, quando vier na sua glória, e na do Pai e dos santos anjos. E em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte até que vejam o reino de Deus. Aqui podemos perceber o que é um verdadeiro discípulo de Jesus. Um verdadeiro discípulo depende completamente do Senhor. A Bíblia diz: “Bem aventurados os humildes de Espírito, porque deles é o reino dos céus” Mateus. 5:3. Humildes de Espírito significa dependência, necessidade; o humilde é dependente, nada tem de si mesmo, e se é dependente  necessita mais de Deus do que os que se consideram fartos e ricos espiritualmente. São discípulos submissos, ao Senhor e a Sua vontade (do Pai), da mesma forma que Jesus foi submisso e obediente à vontade do Pai até a morte (e morte de Cruz). Em Lucas. 14:26 a 33 encontramos “Se alguém vier a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo. Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, Dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar. Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz.
Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo.” Este texto nos  mostra que os discípulos amam a Jesus mais do que a tudo, do que a própria vida, isso significa renuncia completa. Aqui  novamente vemos que “Quem não ajunta espalha”, Lucas 11:23. Não tem meio termo. Estes discípulos se alimentam da palavra, vamos ler João 8:31-32 “Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”, o verdadeiro discípulo permanece na palavra do Senhor, tem sede da palavra, e desta maneira, nunca é pego de surpresa, nem é enganado por Satanás, ele não se conforma com o mundo, mas é transformado por Cristo, sua mente é renovada pela comunhão com o Senhor.
Agora vamos ler Romanos 12:2 ” E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”, renovação da mente é estar sensível para ser ensinado pelo Espírito através da Palavra, é ser sensível para que Deus possa mostrar verdadeiramente o que é do mal e o que é do bem, o que é um falso profeta, o que é um discípulo de Moisés e um discípulo de Cristo. Renovar a mente é experimentar a vontade do Senhor. Não se deixe enganar, a Palavra é nosso modelo, pois ali temos a doutrina de Cristo.
Um discípulo de Cristo dá frutos e frutos dignos, vamos olhar para João 15:8 “Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.”, frutos de caráter manifestado na vida de cada um, para entender melhor leia agora  Gálatas  5:22, 23 “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.”, ou seja esses frutos precisam se manifestar na vida do discípulo. Tem sido isso manifestado na sua vida?
Agora leia Mateus 10:34 a 39 e fique de boca aberta  “Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; E assim os inimigos do homem serão os seus familiares. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. Quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á”, agora está percebendo o quanto você precisa aprender e abandonar,  para ser um discípulo. Qual sua atitude para com essas palavras?
O Senhor nos chama para dar fruto, viver em oração contra o inimigo, pregar o evangelho. Um   discípulo não se conforma, mas luta. O verdadeiro discípulo não busca para si, não é egoísta, busca para todos, para Cristo, para Glória do Senhor. Carrega a sua cruz. Vive para glorificar a Deus através da sua vida.

Agora vejamos alguns resultados de viver dessa maneira:

“E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições”,  II Timóteo 3:12
“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus”, Mateus 5:10                               “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me”, Mateus 16:24

Jesus é o nosso modelo. Ele morreu por nós, não se negou a sofrer por nós pecadores, não podemos negar-lhe. Jesus lançou a sua semente no Calvário, e até hoje esta semente dá frutos de salvação. Mas olhe para você e responda: você de fato tem Jesus como modelo? Tem procurado viver isso?

Devemos seguir a Cristo em tudo, morrermos pra nós mesmos e vivermos para Cristo, dessa forma teremos nossa herança. A vida passa rápido, mas a salvação é vida eterna.
Para encerrar, gostaria de convidar você a refletir comigo em: Mateus 6:19 a 21 – “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam;
Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.
Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.”. Agora pergunte a você mesmo: Qual tem sido a minha reação em relação a isto? Sua resposta te colocará entre os discípulos do Senhor ou não.

"...que te importa? Quanto a ti, segue-me" - João 21:22

O Senhor Jesus tinha acabado de dizer a Pedro que ele viveria até se tornar um idoso e então morreria a morte de um mártir. Pedro imediatamente olhou para João e perguntou em voz alta se João receberia um tratamento melhor. A resposta do Senho foi: "...que te importa? Quanto a ti, segue-me".

Lembrando da atitude de Pedro, Dag Hammarskjold escreveu: "Apesar de tudo, sua amargura, porque os outros estão desfrutando do que lhe foi negado, está sempre pronta para explodir. Na melhor das hipóteses, ela fica dormindo por uns poucos dias ensolarados. Ainda assim, mesmo neste nível indescritivelmente miserável, ela ainda é uma expressão da verdadeira amargura da morte - o fato de que aos outros é permitido continuarem vivendo".

Se levássemos a sério as palavras do Senhor, elas resolveriam muitos problemas entre o povo cristão.

É tão fácil ficarmos ressentidos quando vemos outros prosperarem mais que nós. O Senhor permite que eles tenham uma casa nova, um carro novo, um chalé perto do lago.

Outros, a quem talvez consideremos como menos devotos que nós, têm boa saúde enquanto lutamos contra duas ou três doenças crônicas.

A família ao lado tem filhos lindos que se sobressaem em esportes e no meio acadêmico. Nossos filhos são normais, do tipo mais comum.

Vemos outros crentes fazendo coisas que não temos a liberdade de fazer. Mesmo que essas coisas não sejam pecados, ficamos ressentidos com sua liberdade.

É triste dizer, mas há certa inveja profissional entre obreiros cristãos. Um dos pregadores fica ofendido porque o outro é mais popular, tem mais amigos, fica na luz do holofote. Ou outro fica irritado porque seus colegas usam métodos que ele não aprova.

As palavras do Senhor atingem todas estas atitudes indignas com força surpreendente:"...que te importa? Quanto a ti, segue-me". Como o Senhor lida com outros cristãos realmente não é da nossa conta. Nossa responsabilidade é segui-Lo em qualquer que seja o caminho que Ele escolheu para nós.

Estraído do Devocional Luz Para o Caminho - William MacDonald